sexta-feira, 7 de abril de 2017

Partida

   Infecta-me de poesia
com chagas de sentimentos
que turvam minha visão
e faz doer o corpo.

Adoece-me de paixão
contamina-me
e expele todo tecido morto
enfraquece o coração
para que possa me medicar
de toda tua afeição.

Deixa-me cair 
nas navalhas da saudade
e pingue sobre mim 
o limão da despedida.

Para que possa carregar na idade,
as marcas do amor de uma vida.

Tortura-me com a ansiedade,
de nunca mais pensar na partida.

sábado, 23 de janeiro de 2016

A maré

   Eu tento fazer o certo com coisas erradas, enquanto me afogo tentando me convencer de que a coisa certa ainda existe, e cada vez mais percebo a sanidade ficando minúscula nesse horizonte de possibilidades impossíveis, e vou me agarrando aos pedaços quebrados de madeira do grande barco que eu julgava ser meu coração e que agora afunda com tudo que juntei e jurei que jamais deixaria...
Mas foda-se!! Vou virar peixe!!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Galhos secos e folhas murchas

Da vida procuramos os frutos mais doces, mesmo que olhemos em volta e avistamos apenas galhos secos e folhas murchas. A busca continua ate nós sentirmos no ar, o cheiro das amoras que caem ferindo o chão, e deixando a marca de seu amadurecimento. E depois de andar em um terreno barroso cheio de pedras, espinhos e galhos, finalmente é desfrutado o sabor da vitória, um verdadeiro banquete a alma, mas ainda uma conquista que necessita de zelo e renovação, pois desta arvore que comemos também virão os galhos secos e as folhas murchas. E talvez ao fim desta jornada, nos daremos conta de que também somos arvores, e precisamos escolher bem onde aprofundar nossas raízes, para que quando os frutos acabarem e sobrarem apenas galhos secos e folhas murchas, nos orgulhemos de nossos passos, e dado bons frutos.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Réplicas

  O Ser-Humano, tão frágil em sua pele 
e ao mesmo tempo tão rígido em seu orgulho.
 Não vê o tumor em seu olho, pois não tem mais coragem de se olhar no espelho,
e aos pouco consome-se por tanta hipocrisia e ideias distorcidas de justiça.
 Deixa-se mover pela fúria quando sente seu suor escorrer sem compaixão, para que outro
se deleite da boa cama, da boa comida, da água fresca em seu rosto.
 E cansado já de tirar leite de pedras, já não aguentando mais a pressão 
de sobreviver em migalhas que caem da boca de quem se alimenta sem preocupação,
ele cai em loucura e busca tirar mesmo dos que quase não têm.
 Então ele é amarrado, apedrejado, surrado e humilhado, tendo seu sangue exposto 
à réplicas do que ele foi um dia, antes de cair em loucura.
 O Ser-Humano luta incessantemente e se mata aos poucos, para conseguir de volta aquilo que
ele mesmo tirou de si... Á Paz..

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Prazer Selvagem

Por um momento fechei meus olhos,
e tive medo do que veria quando os abrisse,
porem logo deixei de me importar, então abri meus olhos
e vi a realidade com toda sua frieza e aridez.
 Resolvi pensar em toda a realidade da necessidade humana
de sentir prazer. Me vi de repente em meio ao calor do sexo,
podia sentir a pele quente de minha parceira nas minhas mãos e corpo.
 Queria sentir sua respiração ofegante, sentir seu corpo pulsar e se contorcer as portas do orgasmo, e ver cada gota de suor em sua testa, como um apelo.. um pedido por mais, mais daquele movimento intenso cheio de tesão, até sentir como se o mundo desabasse ao seu redor e seu corpo ficasse leve como uma folha sobre a água morna.
 Então, depois de todo êxtase do sexo e a consumação dessa necessidade real e sólida de sentir prazer. Me vestiria calmamente sem expressar reação, fecharia a porta atrás de mim e sairia fumando um cigarro como se nada tivesse acontecido.
 Porque  é assim que os animais fazem, eles transam uns com os outros quando precisam, e saem sem perguntar nomes nem telefones, e voltam para suas tocas para se alimentar e sobreviver à mais um dia na selva.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Reforma

Quando os pilares da justiça se abalam, e as estruturas da moral desabam. Os engenheiros da psique trabalham arduamente na reconstrução do pensamento lógico e racional, é um trabalho cansativo que exige dedicação e compromisso. E aos poucos se levantam paredes resistentes aos mais fortes ventos, as mais duradouras tempestades. Mas nunca se esqueça de assinar o alvará do Amor Próprio.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Processos e Passagens

 Não confunda minha paz com tristeza,
não confunda minha paciência com tolerância.
 Certos doces apodrecem em suas embalagens de aparência vibrante,
e se tornam ácidos, amargos e intragáveis.
 Porem existe no mundo o cacau, que é amargo, ácido,
e então ele é torrado, moído, espremido e batido,
e depois de tantas tempestades, finalmente fica doce.
 Não confunda um degrau com o fim do caminho,
não confunda teu medo com um muro impenetrável.